terça-feira, 20 de julho de 2010

Um futuro sombrio para a caatinga

ze adenilson Professor José Adenilson - Texto da Tribuna do Norte.
A caatinga não vai ficar igual a um deserto, de fato, mas isso não significa que o problema seja menor ou menos importante”, diz o professor José Adenilson, vereador pelo PT em Carnaúba dos Dantas.
A reportagem da TRIBUNA DO NORTE visitou na última semana, um dos principais pontos de desertificação do Rio Grande do Norte: o Seridó, mais especificamente o município de Carnaúba dos Dantas. Lá, a sociedade civil e o poder legislativo estão articulados para, junto à Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, construir um Plano Municipal de Combate à Desertificação. Enquanto isso não acontece – e Carnaúba será um dos primeiros municípios potiguares a conseguir esse feito – a pecuária extensiva e o corte de lenha para abastecer as cerâmicas, sem o devido cuidado, agravam o processo de desertificação. Como se sabe, 97% do território potiguar é suscetível à desertificação, o que significa que tanto podem ser desertificadas ou não. Isso vai depender da forma como o homem utiliza o ambiente para produzir. E os primeiros relatos não são animadores.
Uma das saídas para combater a desertificação seria o governo estimular, por meio de financiamento, o uso do gás natural nas cerâmicas da região Seridó. Os estudos não sairam do papel.Crédito da foto: Blog da professora Fatoca.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir